Você tem fome de quê?

 

 Se você tivesse um último dia na terra, o que você comeria?

O last meal, ou no bom português, a última refeição, é uma tradição antiga e adotada por vários países onde vigora a pena de morte.

Um tanto quanto bizarra, tal tradição garante ao prisioneiro, na noite anterior à sua execução, seu último agrado, por assim dizer.

Tem quem diga que esse ritual não visa exatamente confortar o condenado, e sim apaziguar a “culpa cristã” das autoridades responsáveis pelo fato de um ser humano estar prestes a ser morto com a sanção integral da lei.

Até porque é documentado o fato de que um número significante de prisioneiros no corredor da morte renuncia ao privilégio. O próprio Ted Bundy, o mais famoso dos assassinos em série americano, recusou o seu “last meal”; então, na véspera de sua morte, como não fizera nenhum pedido especial, foi lhe servido um simples prato típico da culinária de seu país − carne, ovos, batatas escaldadas com bacon, e café. Tudo veementemente recusado por Bundy.

É como disse certa vez um advogado americano que já defendeu apelos jurídicos de vários condenados à morte: “Eles têm outras coisas com que se preocupar”.

Contudo, há aqueles que não dispensam a regalia do último prazer, e se esbaldam nos seus pratos preferidos. As escolhas são das mais variadas. Coisas bizarras, que vão desde uma única azeitona, passando por um saco de balas sortidas, até cheetos com coca-cola, já foram servidas àqueles que preferem enfrentar o juízo final de barriga cheia.

Há de se concluir que no fundo, o que os homens e as mulheres escolhem para comer, antes de darem seu último suspiro, tem muito a ver com a memória olfativa e com o paladar individual de cada um.

Quem, de nós, não tem pelo menos uma lembrança associada ao paladar?

E foi com isso em mente que o Salvem os Gatos foi entrevistar algumas pessoas para saber o que estas comeriam, hipoteticamente, caso estivessem no corredor da morte.

 

Bora ver o que a galera respondeu?

 

Arthur Dapieve, jornalista – Não tenho nem o que pensar muito: Coca-Cola e pizza de calabresa.

 

Gloria Perez, escritora – Pato no tucupi!

 

Mike Stobbe, tatuador –  Eu diria todas as saladas e os breadsticks possíveis do Olive Garden… E talvez um Fettuccine Alfredo com frango!

 

Alessandra Cruz, cabeleireira e  vendedora de maconha medicinal – Sushi e champanhe.

 

Roberta Fabio, barista – Bolo de chocolate.

 

Keneth Morris, dono de restaurante – Sopa de missô, gyoza, arroz branco, raíz forte e molho de soja.

 

Rannah Sheeva, cantora – Pizza de pepperoni do Papa John’s. Eu queria algo com bacon também, para acabar logo com tudo. Ah! E croissant quentinho com recheio de nutella, quiche de brie com geleia, e hambúrguer.

 

Clarice Escorel, advogada – Feijão, bife, batata frita, farofa (feitos pela Bá). Antes, salada verde com tomate, azeite e sal. De sobremesa, uma fruta fresquinha e um brigadeiro de colher.

 

Marco Guimarães, escritor – Uma vez vegano, vegano até a beira da morte. Verduras, legumes, algumas frutas, e pronto. Nada especial.

 

José Carlos Ferreira da Silva, motorista de táxi – Risoto de camarão.

 

Paige Yamasaki, estudante  do primário– Bolo e macarrão de forno com queijo.

 

Carlos Trinidade, jornaleiro – Estrogonofe de carne, arroz e batata frita.

 

Rodrigo Santos, músico − Sushi, sashimi, nirá, shitake e shimeji, para adquirir a paciência e a resignação dos japoneses.

 

Eduarda Souza Macedo da Silva, garçonete – Macarronada, eu como sempre.

 

Caio Liudivik, jornalista – Acho que estaria em jejum, de tão nervoso, mas meu iogurte com cereais, seguido de duas laranjas, uma maçã e uma pera (meus pratos típicos aqui em casa), talvez tivesse a leveza e nostalgia ideais pro momento.

 

Anna Maria Moura Costa de Castro Santos, tradutora − Lagosta grelhada, 1 dúzia de Escargots Bourguignonne, 1 dúzia de ostras ao limão; de sobremesa, um monte de chocolates belgas. E tudo outra vez, se desse tempo para repetir…

 

Frederico Portela, jornalista – Frango frito com arroz, feijão, batata frita e farofa. Humildemente delicioso.

 

John J Dorfner, aposentado – Teria que ser bacon com ovos, e torradas de pão de centeio. Um quilo de bacon e seis ovos, pelo menos. É tudo que mais amo. Comida do café da manhã, eu sei… Só que infelizmente não como mais bacon, meu corpo não aceita nitratos. Mas já que eu iria morrer mesmo…

 

Renata Barros Silva,  auxiliar de serviços gerais – Filé mignon com batatas fritas. É o que amo, mas é tão caro, que eu só como uma vez ao ano.

 

Marcello Azevedo, psicologo – Uma picanha inteira (com gordura, porque nessa altura né?…), com farofa de ovos, batata frita, arroz e molho… e um sorvete de flocos, no fim.

 

Jessica da Silva, caixa de supermercado – Estrogonofe de frango.

 

Alessandra de Almeida Silva, educadora física – Ah! Eu me entupiria de sorvete de chocolate!

 

Mikaely Batista, escovista – Carpaccio

 

Anna Beatriz Castro Santos, tradutora – Lagosta grelhada e, de sobremesa, sorvete de frutas. E um doce português, tipo Dom Rodrigo. No final, um expresso. Água San Pellegrino para acompanhar.

 

José Almino de Alencar e Silva Neto, sociólogo e escritor – Nem consigo pensar a respeito…

 

 

 

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+
  1. Ana Borg disse:

    Brigadeiro de panela!

  2. Felipe Aguiar disse:

    Gostei, mas eu iria só beber. Bebida vale como comida?

  3. Ramy disse:

    Gnocchi recheado de queijo al funghi gratinado!

  4. Lucia disse:

    Lagosta na manteiga com limão e foiegras e profiteroles.

  5. Henry disse:

    Terrific this page… Ju Milk! I’m impressed! Congrats!

  6. Gabriella Amorim disse:

    Gostei do post, Ju! Ah, e ameiiii a nova cara do site, você arrasa muito!! Bjs

  7. Bianca disse:

    Já que eu ia morrer mesmo, ia enfiar o pé na jaca. Um carpaccio de salmão e alcaparras de entrada (sou vegetariana mas antes de morrer ia querer sentir o gostinho do salmão), uma chapa de shitake e shimeji na manteiga, e risoto de fungui. Tudo acompanhado de um vinho verde gelado (Casal Garcia). De sobremesa, muito sorvete Itália de brownie, brigadeiro quentinho na panela, e um pedacinho de mousse de maracujá. Pronto! Já ia morrer ali mesmo de tanto comer!

  8. Marcos José disse:

    Interessante, eu nunca tinha pensado sobre isso antes, Julie Milk. Creio que eu ficaria só no chocolate.

  9. heloisa marques disse:

    PÃO FRANCÊS QUENTINHO DA PADARIA COMO OTIMA MANTEIGA. E PARA FINALIZAR UMA OTIMA CAIPIROSCA DE LIMA PQ FAZ BEM PARA A PELE.(!)

  10. Mauricio Chrispim disse:

    Tábua de queijos e vinho.

  11. João Camargo disse:

    Julie Milk, gostei bastante do seu site novo, principalmente da categoria penso. Você pensa bem, heim? Pensa bastante rsrsrsrsrs Respondendo a sua pergunta, se eu estivesse um último dia na terra eu comeria um baita de um churrasco com muita cerveja.

  12. dione disse:

    EU ia de picanha do royal grill, na barra, sem esquecer do palmito assado! E para sobremesa, um churros do vendedor de churros da saida do metro de botafogo! 😀

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado.
Campos marcados com * são obrigatórios.