Disclaimer

hitchenssalvemosgatos

Sou ateia de convicção e carteirinha carimbada. A meu modo de ver, os argumentos religiosos não passam de falácias. É bastante claro para mim que nossa capacidade de vivenciar o mundo, imaginar, sentir e lembrar, depende do cérebro em funcionamento. Logo, não creio em vida após a morte, nem em Deus. Acredito também que não há nada pior na terra – e mais perigoso – do que o fundamentalismo religioso. Isso dito, não prego bandeira

continuar lendo

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

A projeção do nosso próprio ego

what-is-beauyt-yo-you

A beleza que vemos no  outro provem principalmente de um processamento íntimo e está diretamente ligado com a cultura, inteligência e sensibilidade de cada um. No fundo, tudo depende da nossa leitura idiossincrática para definirmos o que tomamos como belo. Afinal, somos nós que traduzimos valores. Então nesse sentido, a boniteza nada mais é que a nossa essência e sonhos saltando aos olhos.

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

Na paulada

perdadeinocencia

Innocence is not lost. It is taken…

 

A inocência na maturidade, é sem duvida, encantadora. Só que esse encantamento simplesmente reflete a incapacidade de que alguns têm de ver o mundo como ele é. A impotência diante  de certos fatos da vida, leva muitos a se manterem presos no imaginário de seus próprios universos infantis e não ver o concreto. Isso nada mais é do que um mecanismo de auto-engano, que não

continuar lendo

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

Já Elvis

leitederramado

Acredito que toda experiência negativa é algo que deve ser superado através da nossa inteligência. Por mais triste, ou difícil que seja, temos que ter coragem e enfrentar qualquer situação como uma lição, ou  simplesmente  como algo que aconteceu. E uma vez que algo é  inexorável, a melhor  coisa a fazer, é  ter  complacência perante a realidade.

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

Era uma vez: uma história de amizade

Zarza

 Era uma vez uma Gata Tatuada. Era uma vez uma Gata Tatuada e uma Gata Magrela. Era uma vez uma Gata Tatuada, uma Gata Magrela e uma Gata Gorda. Juntas, as três formavam uma estranha, doce família. Durante uns cinco anos as gatas viveram na mais perfeita harmonia. Era uma vida repleta de camaradagem, travessuras e amor.

   Um dia, de hora para outra, a rainha da casa,

continuar lendo

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+