Regras, leis e liberdade

O governo não pode se meter nisso ‒ José Anatólio

 

 

Todos nós vivemos sob leis e regras. De todas as formas. Leis de trânsito, leis da política, regras de etiquetas, entre outras.

As regras e as leis estruturam quase toda interação humana e são ditadas pelos valores de uma cultura sobre o que é visto como aceitável ou reprovável para os indivíduos em uma sociedade.

Em uma visão ampla, pode-se dizer que basicamente são estabelecidas regras no mundo para evitar o caos e assegurar direitos essenciais à vida de cada um de nós, visto que as regras auxiliam as pessoas a desenvolver o bom comportamento e, consequentemente, a conviver em coletividade.

Até porque exercitar justiça, juízo e bom senso deveriam ser algo intrínseco a todos os homens. No entanto, é mais do que sabido que as pessoas tendem a agir por interesse próprio. Sem mencionar o fato de que alguns indivíduos obedecem às leis somente por medo de punição.

Portanto, se levarmos em conta a mesquinharia geral dos habitantes do planeta Terra, podemos concluir que regras, leis e regulamentações são fundamentais.

Tomemos, por exemplo, as leis antipoluição. Apesar de alguns governos, empresários, entre outros seres gananciosos, agirem frequentemente contra tal tipo de regulamentação, todos nós, inclusive eles, lucramos com isso. Ao limitar a liberdade das indústrias para produzir resíduos, esse tipo de lei promove o bem geral. É inegável que em um ambiente limpo a saúde de todos é beneficiada.

Isso tudo dito, há quem todavia afirme que regras são feitas para serem quebradas ‒ não todas, claro, apenas aquelas que não prejudicam ninguém (ou se olharmos por outro prisma, justamente as que prejudicam determinados grupos). Até porque, como seres pensantes, temos a tarefa de constantemente desafiar as regras consideradas datadas, para fazer uma sociedade melhor.

Basta levarmos em consideração que, até um passado recente, relações homossexuais eram crime, em boa parte dos países europeus. Aliás, relações entre pessoas do mesmo sexo ainda são consideradas crime, em 73 países. Sem esquecer que, antigamente, o absurdo da segregação racial em várias partes do mundo encontrava amparo até mesmo na lei.

Pensem: o que seria da humanidade se não houvesse os Harvey Milks, as Rosas Parks e os Nelsons Mandelas da vida? Se ninguém nunca contestasse o status quo das coisas?

Na realidade, se todo mundo vivesse apenas dentro dos limites ditados pelas velhas regras e costumes, os horizontes jamais seriam expandidos.

E foi justamente com isso em mente que o Salvem os Gatos resolveu ir às ruas perguntar:

 

Se você pudesse quebrar as regras o que você faria?

 

 

Bem, se eu pudesse quebras as regras da VIDA, eu simplesmente não o faria. Creio que, ao criar poemas, canções, já me sinto imerso num mundo onde tais regras podem ser rompidas. A poesia carrega em si um olhar fora de um campo visual pré-estabelecido, um método que te liberta, um “outside the box”. Sem as regras, eu estaria sem a parede que procuro romper. Sem regra não há exceções, sem regra não há muros, divisões. E a divisão deve servir para preservar a unidade, a integridade de cada um e seu conjunto de experiências absolutas.  Mas, ao funcionar com uma cela, faz-se necessária a presença da Arte para derrubar essas fronteiras do pensamento e do modo de existir. Ou seja, viver necessita de regras. E essa ambiguidade é o que nos alimenta, instiga, revolta e nos mantém na linha tesa, necessária para a criação. Citando a poeta Adélia Prado: para poetizar é necessário ter os pés bem fincados no chão.  A regra é o chão. Sem ela não há Arte e nem falta de gravidade.

 Paulo Carvalho – Músico

   

Se eu pudesse quebrar regras, sairia abraçando todo mundo na rua. Abraço e a coisa mais gostosa e acolhedora, mas acho que se fizesse isso, me achariam uma louca! Outra regra que eu com certeza quebraria: trabalhos com horários marcados. São contraprodutivos, especialmente para áreas mais criativas. É como deixar um pássaro na gaiola e esperar que ele voe.

Renata Piza – Jornalista

 

Andaria em alta velocidade e não pararia em sinais vermelhos.,, Eu adoro quebrar regras!

Inês Lampreia Designer

 

 Gostaria de ter o direito de defesa sem ser preso por isso. Eu mataria bandidos que fizessem mal a mim, sem retaliação. Que droga é essa de direitos humanos? Sou contra a igualdade de direitos, então um bandido ou um menor que me mata tem o mesmo direito que eu que acordo todos os dias às 3 horas da manhã para vir trabalhar? Esse pessoal alega que menor não tem consciência do que faz; não tem consciência? O que importa é a consequência. Não existe menor, existe o ato. Eu mataria gente ruim sem ter que responder a lei. Também quebraria a lei do aborto. O governo não pode se meter nisso. Porque eles têm que se meter numa decisão entre homem e mulher? A religião é contra, pois não são eles que cuidam. Ninguém antes de nascer é uma vida. O que determina uma vida é a criança depois que nasce!

 

José Anatólio da Silva Camelô

 

Eu tiraria 11 meses de férias, e trabalharia um mês.

Marta Fernández ‒ Professora PUC-Rio

 

Pararia de pagar multas de trânsito!! Sensação de que estar jogando meu dinheiro no lixo quando pago uma…

Flávia Merçon ‒ Médica

 

Desacato à autoridade. A algumas autoridades. Políticos, militares.

Cirillo Luna ‒ Ator

 

Saltaria de paraquedas pelada.

Márcia Francisco – Atriz

 

Eu não cozinharia todos os dias. Odeio ter que fazer comida para os meus filhos e marido todo santo dia.

Claudia Vieira – Auxiliar de laboratório de coleta de sangue

 

Quebraria todas kkk, quebraria a função maternidade. Revolucionária. Seria uma questão de Estado, talvez de um matriarcado responsável pela criação dessas crianças junto das mães. Quebraria a função passiva do feminino. São questões que me atingem e me trazem muito angústia.

Ana De Lamare – Dona de restaurante

 

quebrarasregras

‘Entraria nos supermercados e levaria tudo que pudesse e sairia sem pagar. Cleuza Conceição’ ‒ Garçonete

 

Eu não pagaria nunca nenhum cartão de crédito e usaria todos o tempo inteiro.

Roberta Fabio ‒ Barista

 

Não sei se sou muito resolvido ou muito reprimido, mas não consigo pensar em nada!! Ahh! já sei! Usaria pochete!!

Ronaldo Mourão ‒ Ator

 

Eu não pagaria por passagem para lugar nenhum. Eu escolheria ir e vir para onde eu quisesse, sem pagar nada. Eu optaria por ter transporte de graça para qualquer país ou cidade.

Rannah Sheeva ‒ Cantora

leissãonecessárias

 

Eu brigaria com todos esses políticos, eu gritaria, bateria, faria qualquer coisa para tirar esses ladrões do poder….
Maria do Amparo ‒ Servente

 

 

 

 

 

Morando na Itália e há dois anos experimentando novos sabores, receitas maravilhosas, vinhos, sorvetes, doces, posso dizer que já quebro algumas regras! Quando saí do Brasil pesava 53 kg e hoje estou feliz e contente na casa dos 60 kg! Eu quebrei meus padrões e as regras estéticas para ser feliz! Óbvio que me seguro um pouco às vezes, porém mais por me preocupar com a minha saúde, com a qualidade dos alimentos! O que posso dizer é que a regra do “corpo perfeito, saladinha pra ficar em forma enquanto tem aquela pizza divina no forno” já está quebrada na prática!

Carolina Kfouri ‒ Jornalista

 

Não pagaria IPVA porque já pago seguro, acho que tinha que ter desconto pra quem tem seguro. Mas nunca deixei de pagar IPVA porque senão eu que me ferro. Então posso até não pagar na data, certa mas sempre pago… Agora, se pudesse burlar isso e fingir que eu paguei eu não aceitaria porque aí já acho que é errado. Aí não é quebrar regras é ser corrupto, como muitos por aí… Se não houvesse essa lei, por exemplo, ninguém pagaria, então eu não quebraria a regra.

Giselly Di Lunna ‒ Jornalista e atriz

 

Nossa, passou um filme na minha cabeça.Ahh! eu tomaria banho de chuva pelada no meio do Rio. E chamaria meus amigospara se banhar peladões comigo, Adoro ficar pelada.

Karla Freire ‒ Jornalista

 

A primeira de todas? Eu amaria andar nu por aí amarradaço se soubesse que não seria preso.

Anderson Divino – Personal trainer

 

 

É nosso dever moral, e obrigação, desobedecer a uma lei injusta ‒ Martin Luther King

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+
  1. Ramy disse:

    Não pagaria IPVA e nem pedágio. Também não pagaria mais pela gasolina! E vc, Ju? Conta pra gente qual regra vc quebraria?

  2. sandra del soldato disse:

    Que delícia!!!! Adorei a ideia de perguntar para as pessoas na rua e as respostas estão ótimas!! Já estou esperando a próxima pesquisa que você vai fazer…parabéns

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado.
Campos marcados com * são obrigatórios.