Tiranos

Todos os nossos atos refletem um pensamento ideológico.

Se você tem uma ideologia de guerra, isso vai transparecer em cada área de sua vida. Seja no trabalho, na relação com os familiares, nas escolhas de amizades ou nas relações afetivas. Se você tem uma ideologia de força, de prevalência, por exemplo, dificilmente terá um relacionamento de amizade, ou até mesmo amoroso, baseado em igualdade. As pessoas que buscam relacionamentos assimétricos de poder, nos quais um seja mais poderoso que o outro, seja financeiramente, por faixa etária, por estética, posição profissional ou até mesmo por intelecto, tendem a levar toda e qualquer troca nessa linha. Em uma relação de soberania, o que fica implícito é a diferença de “valor” entre as partes. No entanto, as relações afetivas saudáveis, com condições de desenvolverem-se plenamente, são aquelas em que não há exercício de poder de forma nenhuma e os envolvidos estão em situação de igualdade geral.

Portanto, qualquer relação humana que se preze, não pode se fundamentar no exercício de domínio que uma pessoa possa ter sobre outra.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+
  1. João disse:

    Te amo, Ju e amo o que escreve

  2. Marcelo disse:

    As relações de poder no campo das relações amorosas é o que mais se encontra por ai. Porém, achei legal o que escreveu, Julie Milk. Gosto do seu blog.

  3. Julia disse:

    Você é ótima;como faço para te mandar um email?

  4. Antonio disse:

    Está certo, bem escrito, Julie

  5. Caio disse:

    nossa, vc me fez entender de um novo ângulo a afirmação de Jung de que onde há amor, não pode haver poder, e vice-versa, é exatamente isso! ficou muito claro, não se trata de homogeneidade, mas sim de simetria entre as partes. bjos, Juju

  6. Mônica Bicalho disse:

    Pois é Ju….e nessa “busca de relacionamentos assimétricos de poder” cai-se, muitas vezes, num relacionamento que é uma eterna “quebra-de-braço”, uma verdadeira competição. Tem um livro que eu adoro, “Double Fault” da Lionel Shriver, que retrata justamente essa competição, luta pelo poder dentro da relação. Indico!

  7. Gabriella Amorim disse:

    É isso aí Ju. Você, sempre com perfeitas reflexões sobre a vida! Arrasou! Bjssss

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado.
Campos marcados com * são obrigatórios.